Daqui até o fim do mês, Simone e Simaria vão cumprir uma agenda de, pelo menos, dez shows em várias cidades pelo Brasil. Além das apresentações, a dupla faz presença vip, dá entrevistas em rádios e programas de TV, posa para capas de revistas e catálogos e precisa voltar para gerenciar a casa, filhos, maridos... Cansou? Elas não. Afinal, quando começaram em shows regionais de calouros, Simaria, aos 9 anos, e Simone, aos 7, jamais imaginavam aonde poderiam chegar. Para elas, bastava cantar. “Chegamos a pensar até em desistir, mas Deus sempre nos deu força para seguir adiante, em busca do nosso sonho”, observa Simaria


Donas da própria carreira, após um período extenso como backing vocal de Frank Aguiar, pioneiras na sofrência feminina, Simone e Simaria têm muitos motivos para comemorar. As coleguinhas, como ficaram conhecidas, já podem trocar a alcunha por As rainhas. Não é exagero. Em janeiro de 2018, as moças pobres e sonhadoras de Uibaí, no interiorzão da Bahia, serão juradas do “The voice kids”. Ainda vão aparecer num dos primeiros capítulos de “O outro lado do paraíso” e faturam em média R$ 150 mil por show. “Passa um filme na nossa cabeça”, diz Simone. A seguir, as duas batem um papo com a coluna e mostram por que estão rindo de orelha a orelha, sem qualquer resquício do sofrimento que cantam.

 

O Globo