A Seleção Brasileira começa a se reunir hoje para os dois maiores desafios da era Tite: encarar a Argentina de Messi e o Mineirão dos 7x1. Dois anos e quatro meses depois de um dos maiores fiascos da história do futebol brasileiro, o time voltará a jogar no estádio onde foi humilhado pela Alemanha na semifinal da Copa do Mundo de 2014.

Mesmo que o momento, o elenco e o adversário sejam outros, a lembrança daquele jogo ainda deixa muito torcedor desconfiado e, por isso, o retorno da Seleção a Belo Horizonte é recheado de expectativas. Quando convocou o grupo para as duas próximas partidas nas Eliminatórias - além da Argentina na quinta-feira, o Brasil enfrentará o Peru, em Lima, no dia 15 -, Tite tratou de afastar qualquer preocupação com o retorno ao palco dos 7x1. Para ele, que jamais foge das perguntas sobre aquele jogo, muita coisa aconteceu desde então.


“O trabalho psicológico parece que ao longo do tempo já foi perfeitamente colocado, e segue sendo. É verdade esse fato (a derrota acachapante), mas também é verdade que dois anos se passaram, assim como uma série de circunstâncias. Aconteceu e passou. Estamos em outro momento”, disse o comandante.


Decisão


Deixar de lembrar aquele jogo, porém, é uma tarefa quase impossível. Nada menos do que sete jogadores que estiveram na Copa do Mundo foram convocados por Tite, sendo que quatro deles foram a campo naquele fatídico 8 de julho de 2014 - Marcelo e Fernandinho começaram a partida e Paulinho e Willian entraram no decorrer do jogo.


A péssima impressão deixada naquela partida, contudo, não parece afetar o torcedor mineiro. Mesmo que a CBF tenha colocado os preços dos ingressos em patamar de Copa do Mundo - a entrada mais barata custa R$ 200 -, a maior parte dos 61.949 bilhetes disponíveis já foi vendida.


Quase todos os jogadores convocados chegam a Belo Horizonte hoje. Amanhã, o time fará o seu primeiro treino na capital mineira. Ele será aberto ao público e acontecerá no estádio Independência.

 

Correio