O desgoverno de Michel Temer encontrou uma grande saída para acabar com a crise do rombo das contas públicas. O Planalto espera botar mais gente desempregada na rua. Com o PDV, o governoespera que servidores públicos concursados peçam demissão voluntária.

Quem optar pelo PDV, receberá umas merrecas, gastará pagando dívidas ou com coisas banais, por tabela como servidor público federal perderá consequentemente o plano de saúde no fim da vida, vai morrer na miséria.

 

Os Ministros da área econômica ávidos em controlar as finanças públicas também sugerem e está em pauta o adiamento do aumento dos salários dos servidores federais, previsto para ser incorporadonos contracheques, anualmente de forma graduada, já negociados e aprovados no governo das pedaladas, de Dilma.

 

A conclusão que se chega, mais claro que a luz do sol do meio dia é que o grande responsável e vilão pela crise econômica no Brasil são os servidores públicos, e em todas as esferas, federal, estadual e municipal.

 

O cálculo da economia com a previsão das demissões voluntárias, chegaria anualmente, aos valores liberados por Michel Temer com emendas para os Deputados Federais, a fim de evitar uma possível cassação, cerca de 3 bilhões de reais. A que pontoa anarquia no sentido mais vulgar chegou aos nossos governantes.

 

O que era um sonho e ainda continua sendo para milhões de brasileiros, passar em um concurso público e na velhice receber uma aposentadoria digna, hoje, está sob uma plena ameaça, concursos públicos só para áreas restritas e os já aposentados, hoje não dormem, convivem diariamente com um pesadelo, por não saberem se vão auferir o provento da aposentadoria dentro do mês.

 

No Estado do Rio a humilhação é escancarada, ao invés de salário, uma cesta básica e no Rio Grande do Sul e em Sergipe salários atrasados e parcelados. O efeito é dominó e bate à porta dos municípios. Enquanto isso, o Ministério Público Federal de Janot, o chefe da moralidade, dá um aumento de 16% aos seus funcionários, concomitantemente, falta dinheiro par emissão de passaportes, para Polícia Federal continuar com as investigações da Operação Lava Jato e pessoas diariamente morrem na porta de hospitais.

 

Por: ANTONIO BARBOSA, advogado formado pela UFS
Colunista do portal Gazeta de Estância