A crise financeira no Brasil vem vem assolando os Estados e principalmente os municípios, que sobrevivem com o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e outros recursos.

Na cidade de Estância, Região Sul do Estado, distante 68 km da capital Aracaju, a situação não é diferente e a cada dia preocupa o gestor público pela queda de recursos.


Em sessão realizada na tarde de quarta-feira, 05, o vereador Tito Magno Costa Garcia (DEM), filho do prefeito Carlos Magno, usou a tribuna destacando que o Governo Federal cortou uma parte do repasse dos Agentes de Endemias e Agentes de Saúde. Externando a sua preocupação, o vereador disse que fica a critério da administração municipal completar a perda de recursos. “Espero que isso possa ser revertido. Que vai gerenciar uma cadeia em todo o Brasil”, relatou.


De acordo com o jovem parlamentar, só de ICMS no mês de Julho, o município perdeu R$ 1 milhão de reais. De FPM mais R$ 1 milhão de reais, totalizando a perda de R$ 2 milhões de reais. Isso fora os royalties, que era R$ 1 milhão e baixou para R$ 500 mil. “É preciso que a gente faça uma força tarefa e que a classe política faça o seu papel, mas não queira usar subterfúgio para querer destabilizar a gestão”, enfatizou Tito.


lamentando essa situação, o vereador Tito Magno falou que Carlos Magno tem tomado sérias medidas, cortando gratificações e até demissões de 100 a 200 cargos de comissão que será ainda neste mês. “Se não fizer isso vai atrasar folha de pagamento dos funcionários da prefeitura de Estância. E o gestor tem esse compromisso com o servidor público”, finalizou Tito Magno.


Da Gazeta de Estância.com.br